Coração

Já estava dormindo quando absolutamente do nada acordo com um barulho dentro de mim. Foi meu coração que partiu. Quebrou-se em mil pedaços. Como um encanamento que estoura no meio da noite e inunda meus olhos de lágrimas.
Quis vomitar seus pedaços, mas fiquei com medo de ficar sem coração.
Um coração partido é melhor que coração nenhum.
Coração partido a gente cola com uma boa música, bons amigos e um amor lindo que eventualmente apareça. E uma taça de vinho. Ou duas. Não mais.
Quando estou com saudades de alguém recorro às cartas (e-mails) trocados. Isso dá uma certa liga no coração também.
É por isso que escrevo pra vocês, pra quando me faltar coração eu poder voltar no tempo, nestes textos, e lembrar que ele – omeu coração – existe.
Anúncios

O resto das minhas verdades

* publicado originalmente em 2010, no site feminino Mundo Ela

lovefuck

{{ Trilha sonora sugerida}}

Não, você não foi o amor da minha vida. Foi apenas um amor pobre, desses que se pode medir exatamente onde acaba.

Também não sei dizer se foi uma paixão avassaladora. Porque não me entreguei como aqueles que julgam saber dizem. Não te desejei como deveria desejar porque é do desejo que nascem as angústias.

Mas não se preocupe porque não encaro nada como uma farsa. Não, meu bem, eu não me sinto traída. Quer dizer, não por você.

Mulher, meu caro, é bicho mau, que trai a si mesma apenas por um segundo de prazer. Se fui traída nessa historia foi por mim mesma. Sabe como é, as vezes é difícil estar e , principalmente, ser carente.

Não sei se ficou claro que, se você me usou pelo buraco que tenho entre as pernas, eu te usei pelo buraco que carrego bem no meio do peito. E precisa pedir desculpas por me achar mais esperta? Porque se você conhece bem as mulheres, poderá concordar que se elas fingem que gostam, fingem melhor ainda que não gostam.

E então, eu fazia graça pra você. Olhava em seus olhos procurando alguma verdade – porque é lá que elas moram – enquanto você procurava as melhores palavras para ofuscar suas mentiras. “Meu amor é infinito”.

Mesmo sabendo de seu esforço de ator canastrão, daqueles que espremem o sentimento, a única coisa que me passava pela cabeça era como você é burro! Porque, meu bem, só pode ser burrice querer medir forças com o infinito.

Aliás, eu não sei se os homens compreendem bem o significado de infinito. Permita-me explicar-lhe e, apesar de tudo, tente entender.

O infinito é o espaço em branco de uma reta pontilhada. Quando um pontinho acaba, logo em seguida outro ponto acontece. E isso vai acontecendo até a reta fazer a curva. Deu pra entender? Isso quer dizer, meu bem, que mesmo sendo um espaço em branco, o infinito não é vazio como suas juras de amor.

Agora me responda: se amor passa, pra que serve senti-lo?

Sabe de uma coisa? A gente tem é que parar de acreditar nessas bobagens de amor infinito. Porque amores duram o tanto quanto duram. E vão durando até a reta fazer a curva. E de novo, e de novo…

Deu pra entender isso também? Que serve sentir amor só pra sentir outra vez…

Não. Não pense que eu não gostava de você. É bobagem aquela coisa que, em um relacionamento, sempre tem um lado que gosta mais. Se a corda rompe do lado mais frágil é porque o lado frágil já se desgastou.

A vida não é poesia, não. Quer dizer, poderia ser. Mas de verdade? Não é.

Mas enfim, eu ia dizendo pra você não achar que eu não gostava de você. Claro que gostava. Se muito ou pouco? Isso é relativo a começar pelo infinito que você acredita e eu nunca acreditei.

Se você gostava muito de mim, eu fiz muito ao gostar de você.

Desculpa, não quis ser grossa.  Mas eu sei  que gostei de você porque esqueci de não gostar de mim.

E se o jogo aqui é o da sinceridade, vou continuar jogando. Jogando as coisas na sua cara, entendeu? Porque eu gostei de você, das suas viagens alucinógenas, das suas loucuras e modismos mesmo sabendo que você nunca engoliu a minha caretice. Porque tenho certeza que, pra você, eu fui chata, certinha e sem graça. Uma babaca completa.

Mas não tem nada não. Pra mim, eu sempre estive na vantagem, já que te usei pra preencher aquele vazio no meio do peito.

Eu admito: sou uma babaca. Porém, no nosso contrato de não amor, eu era uma babaca satisfeita.

Não, meu bem. Eu não estou exagerando na dose. E depois, exagero é um recurso literário muito mais que justo. Principalmente em um desabafo.

O meu único ressentimento é que de todos os defeitos que você reparou em mim, você nunca se deu conta de que eu sou louca.

Ser normal é over. E eu sempre detestei que você me visse assim, como apenas mais  uma na multidão. Sempre odiei o fato de parecer normal. Mesmo de perto.

Você nunca percebeu que eu não faço questão nenhuma de ser uma louca humilde. Sou Tão louca que fiz questão de comprimir a porra do meu coração, até que ele diminuísse de tamanho, pra você não assustar.

Mas eu vou continuar fingindo que não gosto de você. So pra um dia, quem sabe, eu acreditar.

 

 

 

Fome

fome

{{ Trilha sonora sugerida }}


– Mãe, tô em crise
– E quando é que vc não esteve, minha filha?
– Mãe, mas eu tô em crise, entende? Já passei da idade e… (começo a chorar)
– Minha filha, não precisa chorar. O que você quer?

(ainda chorando) – Eu queria sopa, mãe.

– Você está em crise porque queria sopa?
– Não, mãe, eu queria sopa porque estou em crise. (começo a engolir o choro)
– Que tipo de sopa, minha filha?
– De letrinha, mãe.

(A mãe ri) – Mas você já passou da idade de querer sopa de letrinha, minha filha.

(choramingando) – E também da idade de ter crise, não é, mãe?

– Calma, filha… Do que você está precisando?
– De sopa, mãe. Sopa de letrinha.
– Pra quê, minha filha?
– Pra ver se vejo no fundo do prato uma palavra bonita.